Últimas Notícias

04/11 - Uma aula sem crise econômica

As sucessivas crises econômicas estão sempre em pauta nas conversas familiares. O assunto também invade os lares diariamente através dos meios de comunicação que utilizam expressões desconhecidas pelo universo infantil. Para levar os alunos do 2º e 3º ano do Ensino Fundamental a compreenderem esse tema, a professora Elisangela Mombanque criou uma aula lúdica sobre o sistema monetário.

{gallery}2009,single=crisis_economica.jpg,salign=left,connect=sige{/gallery}

O desafio era levá-los a entender o assunto através de uma atividade divertida, com linguagem adequada e, ao mesmo tempo, levantar e despertar questões importantes sobre civilidade. Por isso, o objetivo da aula foi colocar na prática a necessidade de aprender sobre sistemas monetários de diferentes países e experimentar o sistema de atacado e varejo utilizado no comércio.

Os alunos criaram lojas com produtos que trouxeram de casa e, para concretizar o comercio, deram nomes aos estabelecimentos e usaram dinheiro fictício para a compra e a venda das mercadorias. A aula ocorreu de forma descontraída e dinâmica em que, além de exercitarem cálculos matemáticos de aritmética, foram inseridos assuntos como a educação financeira e empreendedora, relações comerciais e o apego aos bens materiais.

Na prática, os alunos movimentaram o comércio utilizando dinheiro para comprar. As lojas, por sua vez, lucraram e deram seguimento ao ciclo, gastando o que ganharam em outros tipos de comércio e assim sucessivamente, dando um efeito de circularidade à atividade. Com este método, a professora explicou que a crise econômica mundial nada mais é do que a falta de dinheiro para alimentar o ciclo comercial.

A aula terminou com a satisfação dos alunos de terem comprado o que necessitavam e lucrarem com o próprio trabalho. Dessa forma, adquiriram um pacote de conhecimento através da brincadeira. Na oportunidade, a interdisciplinaridade e a vivência mostraram-se instrumentos eficazes para levá-los a aprender e lidar com este assunto que, em princípio, parece tão distante da realidade infantil.

A Gestora Ms. Gislaine Moreira Nunes Baez ressalta que, com esta proposta de ensino inovador, através de uma política educacional de interdisciplinaridade, com aulas lúdicas e educação humana, o Colégio Trilíngue Inovação deseja preparar os alunos para os desafios que o mundo oferece. “Os resultados práticos serão avaliados, quando os alunos tiverem a oportunidade de enfrentar as mais diversas situações em suas vidas”, conclui ressaltando que a realidade econômica mundial aponta para a necessidade de preparar cidadãos capazes de driblar crises com criatividade e raciocínio lógico.

03/11 - I Congresso de Iniciação Científica Trilíngue

O I Congresso de Iniciação Científica do Colégio Trilíngue Inovação, que será realizado nos dias 19 e 20 de novembro, é um marco definitivo para o amadurecimento do ensino dos alunos da educação básica na região e deve contribuir para uma reflexão crítica sobre as práticas curriculares realizadas e o aperfeiçoamento de novas técnicas e metodologias nessa modalidade de ensino. Com esta iniciativa inédita, a educação de Chapecó torna-se objeto de medidas absolutamente inovadoras e, seguramente, significativas.

A iniciativa pode ser entendida como um conjunto de atividades sistematizadas e voltadas a questões de aprendizagem de iniciação científica. Prova disso é que o evento foi motivado pelo resultado de trabalhos escolares encaminhados durante o ano letivo e que foram orientados por doutores, mestres e especialistas nos projetos interdisciplinares em três idiomas que os alunos do Trilíngue realizam a cada bimestre.

Durante o evento, que será realizado em dois dias, das 19 às 22h30, na sala um, do bloco dois da instituição, os pesquisadores poderão demonstrar a capacidade de comunicação e os conhecimentos sobre os temas pesquisados. Além de disseminar o conhecimento ao possibilitar o contato dos alunos com a pesquisa, o Congresso objetivou ainda incentivá-los ao ingresso na iniciação científica, preparando-os para o mundo acadêmico do ensino superior.

Os trabalhos inscritos foram entregues no formato Word, contendo introdução, desenvolvimento, conclusão e bibliografia e apresentados com auxílio de ferramentas tecnológicas, com um tempo total de 15 minutos para a defesa. A apresentação das pesquisas segue um padrão de projeto e relatório elaborados pelo colégio de acordo com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e de modelos de pesquisa do ensino superior. Após serem selecionadas e submetidas à apreciação de uma comissão julgadora as pesquisas serão publicados em anais de uma revista científica.

De acordo com a Gestora do Colégio, Ms. Gislaine Moreira Nunes Baez, “este projeto é mais um trabalho inédito que o Colégio está proporcionando aos alunos, preparando-os para a vida acadêmica e o contato com a pesquisa desde já”, afirma.

14/10 - Alunos do Ensino Médio fabricam um bafômetro

Uma aula interdisciplinar sobre conscientização no trânsito realizada com os alunos do ensino médio do Colégio Trilíngue Inovação gerou um momento de prazer, interação e aprendizado no mês de setembro. A aula foi promovida pelos professores André Costa, de Química, e Rogério dos Santos, de História, que abordaram a grande incidência de acidentes de trânsito provocada por motoristas embriagados e levaram os educandos a produzir um identificador de ingestão de bebida alcoólica, o bafômetro. Entre os aspectos abordados, destacaram-se ainda a punição ao condutor alcoolizado e quais as primeiras atitudes a serem tomadas em meio a um acidente.

{gallery}2009,single=baf.jpg,salign=left,connect=sige{/gallery}

Considerando que no Brasil a maior causa de morte são os acidentes de trânsito, o professor de história levou fatos do cotidiano para a sala de aula, como documentários que mostram colisões fatais causadas devido à ingestão de bebidas alcoólicas, seguida de direção de automóvel.  Foram destacadas atitudes corretas para salvar a vida de pessoas envolvidas em acidentes e ressaltadas as punições previstas em lei para quem dirige alcoolizado.

Uma das principais recomendações passadas pelo professor Rogério, que também é bombeiro voluntário, é evitar mexer com as vítimas de acidentes e ligar imediatamente aos telefones de emergência como SAMU, Corpo de Bombeiros ou Polícia Militar, já que os socorristas destes órgãos são capacitados para pronto atendimento e podem removê-las sem aumentar os riscos de morte, diminuindo as sequelas, melhorando o prognóstico do acidentado, e diminuindo o tempo de internação.

{gallery}2009,single=baf1.jpg,salign=left,connect=sige{/gallery}

Depois de encerrada esta explanação, que gerou acalorada discussão, o professor de Química deu continuidade ao tema e mostrou na prática como funciona o bafômetro, um aparelho utilizado pela polícia para analisar se os condutores de veículos fizeram ingestão de álcool antes de dirigir. O docente explicou como funciona o aparelho e, com a ajuda dos alunos, montou um exemplar deste instrumento. “O objetivo era observar a ocorrência de uma reação de oxirredução, envolvendo material orgânico com a aplicação no cotidiano” ressaltou André.

Atividades com interdisciplinaridade e interatividade no processo de aprendizado são comuns no Trilíngue. Nesta aula, foi possível aprender atitudes básicas em caso de acidente e quais são os  componentes e reações para que o bafômetro detecte a embriaguez.

Segundo a Gestora, Ms. Gislaine Moreira Nunes Baez, “a política pedagógica do Colégio mostra resultados, uma vez que as aulas interdisciplinares, juntamente com a prática, geram o prazer em buscar o conhecimento”.

10/10 - Bar da poesia: um suave prazer

Para estimular o hábito da leitura e o prazer na busca pelo conhecimento, as professoras Mirian Borges e Liana Giachini da disciplina de Língua Portuguesa do Colégio Trilíngue Inovação desenvolveram o projeto Choveu Poesia no Colégio. Além de despertar nos alunos o gosto por este gênero textual e incentivar a criação poética, a iniciativa buscou promover a arte da declamação e criar no público o interesse pelas manifestações artísticas.

A tipologia foi trabalhada com os alunos de 4ª e 6ª série do ensino fundamental e a sala temática da língua materna foi transformada no “Bar da Poesia”. A inauguração deste ambiente lúdico aconteceu na tarde do dia 8 de setembro e recebeu o público servindo poemas como o prato principal. O ápice desse projeto ocorrerá no dia 24 de outubro, no dia da Família, onde os alunos declamarão poemas aos seus pais. Na abertura, depois de serem recepcionados os frequentadores recebiam o cardápio, faziam os pedidos e eram agraciados com declamações de obras dos mais variados escritores da literatura brasileira.

O Bar da Poesia será ampliado até o final de 2009 e consolidado durante os próximos anos letivos. O projeto pretende envolver os alunos da instituição numa abrangente teia de leitura com uma série de encontros, conversas, apresentações públicas e recitais através da organização de encontros com escritores, artistas e público em geral para a promoção de atividades de leitura em eventos culturais.

De acordo com as docentes, essa sequência de trabalhos vai encontrar novos caminhos para tornar o desafio da declamação permanente, saboroso, prazeroso e que incentiva a leitura de uma maneira transformadora. “A importância deste projeto reside em defender uma proposta capaz de atravessar as mais diversas faixas etárias e atingir diferentes sujeitos e grupos sociais, aumentando o contato familiar, as relações de afetividade e a tradição de sentar com as famílias para ler, criar rimas e declamar”, esclarecem.

A Gestora Gislaine Moreira Nunes Baez, salienta que trabalhos como estes são desenvolvidos permanentemente no Colégio e sua eficácia é constatada nos resultados atingidos que vão além das notas conquistadas em avaliações, mas se exibem no cotidiano da instituição que constantemente contempla manifestações de criatividade, desinibição, autoconfiança, aumenta a inteligência interpessoal e intrapessoal e a superação por parte dos alunos.

20/09 - Lixeira Viva incentiva o manejo responsável do lixo orgânico

Por meio de um método australiano, chamado de “Lixeira Viva”, os professores Ms. Eduardo Dutra, de Arte, e Silvana da Cunha, especialista no ensino da pesquisa em Ciências Naturais, desenvolveram com os alunos um projeto interdisciplinar para a construção de uma composteira. O plano é uma atividade em curso que incentiva o manejo responsável do lixo orgânico, através de sistemas de vermicompostagem, para transformá-lo em fertilizante. Segundo os docentes, a ideia é desenvolver em cada pessoa a responsabilidade pelo processamento do seu lixo orgânico, diminuir o impacto que os grandes aterros sanitários causam na natureza e ainda transformar algo extremamente ruim em matéria útil.

{gallery}2009,single=lixeira_viva.jpg,salign=left,connect=sige{/gallery}

A compostagem doméstica de matéria orgânica é um processo bastante simples, pois permite que ela se decomponha sozinha e se transforme em húmus ao separá-la. É através do armazenamento destes detritos, terra, minhocas e bacias retangulares furadas que um dos grandes males da vida urbana se transforma em adubo natural de excelente qualidade. O lixo não reutilizável é convertido em alimento rico e vitaminas para minhocas e as fezes dos anelídeos viram fertilizante para muitas plantas.

De acordo com a professora Silvana, que vem estimulando diferentes maneiras de consciência ecológica nos alunos, mais de 50% do que chamamos de lixo e que formará os chamados "lixões" é composto de materiais que podem ser reutilizados ou reciclados. “O lixo é caro, gasta energia, leva tempo para decompor e demanda muito espaço. Mas ele só continuará sendo um problema se não lhe dermos o tratamento adequado”, garante.

Para chegar neste nível de consciência, a docente ressalta que é necessário rever os valores que estão orientando o modelo de desenvolvimento e, antes de se falar em lixo, é preciso reciclar nosso modo de viver, produzir, consumir e descartar. “Qualquer iniciativa neste sentido deverá absorver, praticar e divulgar os conceitos complementares de redução, reutilização e reciclagem”, reforça. No Trilíngue o adubo será utilizado na horta escolar instalada no pátio do terceiro bloco e que é monitorada pelos próprios alunos. Após assimilarem a ideia, a proposta é ampliar a aplicação do projeto nas casas dos estudantes, da mesma forma que está sendo feita no colégio. Essa maneira de trabalhar é uma preocupação constante na Instituição. Segundo a Gestora Ms. Gislaine Moreira Nunes Baez, “com estas práticas, além de estarem cumprindo a política da instituição, que é a interdisciplinaridade no método de ensino, os docentes e alunos também estão exercitando a consciência ecológica e levando este aprendizado para suas vidas, o que reflete a educação integral”.

Página 75 de 89