Últimas Notícias

01/07 - Anunciados os vencedores do 1º Concurso de Contos de Mistério

Os vencedores do 1º Concurso de Contos de Mistério realizado entre alunos de 5ª série do Ensino Fundamental até 1º ano do Ensino Médio do Colégio Trilíngue Inovação foram anunciados no último dia 30 de junho. O Conto “Além do Crepúsculo”, do aluno Stephan Abs, foi classificado em primeiro lugar. Em segundo,“Mistérios da meia-noite”, de Luiza Scapinello da Silva, e, em terceiro, “A Caçada”,de Arthur Vivian.

{gallery}2009,single=contos.jpg,salign=left,connect=sige{/gallery}

De acordo com o regulamento, para participar, os trabalhos deveriam ser inéditos, conter de 20 a 30 linhas e serem apresentados em envelope lacrado sob pseudônimo. Para a análise dos trabalhos, o júri formado por educadores e escritores da ACHE (Associação de Escritores de Chapecó), considerou, entre outros parâmetros, o uso da norma culta da língua portuguesa, a coerência do final do conto com a parte inicial, a estrutura dos elementos da narrativa, título e linguagem adequada ao tema.   

A iniciativa, que partiu de alunos da 5ª série, através do Clube de Leitura, objetiva estimular a criação literária e contribuir para a formação de leitores.  A gestora, Ms. Gislaine Baez lembra que a inscrição no concurso de contos não era obrigatória, mas os participantes mostraram-se capazes de ousar, acreditando na própria capacidade e assumindo um compromisso consigo mesmos diante do que pensam e sobre o que acreditam. “Esta iniciativa, somada futuramente a tantas outras experiências, os transformará em protagonistas de suas próprias histórias”, avalia.

Os três primeiros colocados foram anunciados em ato público na tarde do dia 30 de junho. Os vencedores são todos alunos da 6ª série e receberam Medalha de Honra ao Mérito. Os contos classificados podem ser lidos na íntegra neste site.

Conto produzido pelo aluno Stephan Abs, sob o pseudônimo Joseph Prince. 

Além do crepúsculo

Eram cinco da manhã. A brisa soprava lentamente enquanto o dia ainda estava por nascer. Robert naquele cemitério nojento, ao acaso, esperava o destino se revelar. Não tinha mais medo, alegria, tristeza nem dor. Percebeu o quanto o destino era cruel. Primeiro seus pais. Depois esposa, filhos, irmãos... Teve ódio. Ódio por não salvá-los. Ódio por existir.

Já eram seis horas. Logo à sua frente avistou um morrinho, no topo do qual havia uma macieira. Atrás dela observou o belo crepúsculo se estendendo ao horizonte. Aproximou-se. Pela primeira vez notou o tumulo abaixo dela.  Leu as inscrições: aqui jaz Jimald Rastr. Não precisava ler o resto para perceber que havia chegado ao túmulo certo. Deixou suas rosas caírem lentamente. Sentiu sua pulsação cair bruscamente. Desequilibrou-se e, para não cair, apoiou seu corpo na macieira. Então viu novamente o crepúsculo e imaginou se Jimald estaria em algum lugar do além.

Sete horas. Na entrada do cemitério vinham pessoas vestidas de preto. Carregavam um longo caixão adornado com pedras brilhantes. Passou-lhe a ideia de que um dia estaria em um caixão como aquele. Sentiu um friozinho que nem sequer seu pesado gibão de couro pode conter. Enquanto os mais vingativos espíritos descansavam em paz, ainda havia uma alma perturbada. Robert não estava a acreditar. Os espíritos, de um em um, saíam de seus caixões. Alguns vinham acorrentados, outros nus, mas todos com uma energia diabólica.

Oito horas. Cada alma indo em direção ao novo espírito, que podia correr, mas não se esconder. Para onde quer que fosse todos estavam lá, encarando-lhe severamente. Foi quando o alcançaram, já a lamentar e gritar. Mas seus gritos não podiam ser ouvidos, eram sufocados na imensidão do além. E como no mais belo som de uma lira, todos estavam a dançar. Andavam e voavam, pulavam e cantavam. Como que uma alma viva e sonolenta, Jimald espreguiçou-se lenta e vagarosamente. Robert não tinha mais forças, caiu na mais densa neve. Estava a sorrir. Estava sozinho, com frio, sem forças, arfando e indefeso, mas estava a sorrir. Sorrindo, jogado na neve, enquanto esperava seus entes queridos reencontrar.

                                                                                                Joseph Prince

Conto produzido pela aluna Luiza Scapinello da Silva, sob o pseudônimoAziul SAS. 

Mistérios da meia-noite

Estava eu voltando para casa. Era uma noite fria de junho, mas dava para ver muito bem as constelações no céu e parecia que elas tentavam me dizer que algo aconteceria. Passando pelo parque, nada se via, mas eu sentia que algo ou alguém me esperava na esquina. Estava a mais ou menos um metro da casa de madeira, que parecia um castelo abandonado esperando para um aventureiro passar. Atrás do arbusto estava um par de olhos me seguindo. Tentei passar o mais longe possível, mas quanto mais me afastava mais aparecia aquele rosto amedrontador, embora não desse para saber quem era ou o que era.

Quem era eu não sabia, mas era familiar. Passei correndo por aquela esquina. Estava com tanto medo que achei que seria melhor ir por um atalho, por uma rua de chão, mas já era tarde. E fui pela estrada. Cheguei mais rápido do que pensei no portão da minha casa, entrei e fui para o meu quarto. Não conseguia dormir naquela noite que parecia nunca acabar. Meia-noite em ponto. Ouvi algo batendo na janela, fui olhar e só vi a escuridão. De repente, vindo do nada, apareceu uma pessoa que mais parecia um borrão. Não vi mais nada. Sentia que aquilo estava sugando minha alma. E até eu não sentir mais nada aquele alguém não sumia. Então, caí no tapete felpudo que amorteceu a minha queda e só acordei na manhã seguinte.

Daquela noite em diante nunca mais esqueci aquela cena.  Nem os momentos mais felizes me faziam esquecer e fui vivendo com aquele vazio e aquela incerteza pelo resto da minha vida. O porquê daquela cena eu não sabia. Era muito complicado o que aconteceu, talvez até inexplicável como um sonho, ou melhor, um pesadelo que ninguém gostaria de falar, muito menos explicar. Mas o pior de tudo é que eu não sabia quem era ou o que era aquela imagem, aquele animal, coisa ou quem sabe pessoa que me fez aquele mal. Só de uma coisa eu sabia sobre aquilo: era mais um mistério que ninguém poderia desvendar.

  Aziul SAS

Conto produzido pelo aluno Arthur Vivian, sob o pseudônimo Braddock.

A caçada

Davi e Roberto tinham dezoito anos no ano de 1962. Os dois eram irmãos gêmeos e moravam em Cuiabá, capital do Mato Grosso. Há dois anos, Carlos, um grande amigo deles, os convidara para uma caçada no Pantanal.  Carlos era um caçador muito conhecido em Campo Grande, sua terra natal Ele tinha trinta e quatro anos de idade e vinte de experiência em caça. Com 14 anos de idade seu pai, que já falecera há algum tempo, ensinou-o a caçar.

Todas as vezes que Carlos, Davi e Roberto se encontravam, Carlos pedia se os dois queriam ir caçar, até que num desses dias os irmãos resolveram aceitar. Como a viagem entre Cuiabá e Campo Grande era muito longa, Davi e Roberto estavam muito cansados. Chegando lá, acomodaram-se na casa de caça de Carlos e logo perceberam que ele tinha muitos prêmios, como cabeças de animais e outros. Eles resolveram ver os prêmios num outro momento, pois estavam muito cansados.

No dia seguinte foram à caça. Voltaram com muita comida para o jantar daquela noite e para o almoço do dia seguinte. Como de costume, também trouxeram alguns prêmios e logo depois da janta dormiram. E assim foi por uma semana. Eles sempre estavam juntos e num dado momento pensaram um pouco e resolveram que deveriam usar uma técnica diferente. Quando amanheceu, saíram de casa para ir à caça novamente. Desta vez eles se separaram. Davi para um lado, Roberto para outro e Carlos para o outro.

Davi estava muito concentrado em um javali, mas de repente ouviu um tiro e logo em seguida um berro agonizante. Para certificar-se do que acontecia, ele saiu correndo em direção aos berros que não paravam. Quando chegou ao local onde achou ter ouvido o berro, encontrou seu irmão todo ensanguentado, deitado em cima de um animal. Em princípio não entendeu nada, mas logo percebeu que escandaloso do jeito que era, estava gritando de alegria por ter caçado o seu primeiro animal.

  Braddock

25/06 - Conscientização sobre os Direitos dos Animais.

Preocupado em fortalecer posturas éticas no convívio de todas as espécies do planeta, o Colégio Trilíngue Inovação trouxe para Chapecó, a palestra “Direitos dos Animais” com a Professora Drª. Renata Braga da Universidade Estácio de Sá, do Rio de Janeiro, que falou sobre o bem-estar social e a responsabilidade humana no relacionamento harmonioso com os animais de todas as espécies, através de uma palestra lúdica com jogos e brincadeiras. Na sequência, houve um debate com a equipe da APACHE (Associação Protetora dos Animais de Chapecó), que esclareceu os procedimentos para adoção de animais abandonados e trouxe juntamente três cachorrinhos como exemplo de tratamento. O evento ocorreu na última quinta-feira, às 16h nas dependências da instituição.

{gallery}2009,single=direito_animais.jpg,salign=left,connect=sige{/gallery}

A interferência humana no ecossistema do planeta, através da destruição indiscriminada das especiais animais, pode acarretar efeitos futuros imprevisíveis e até mesmo prejudiciais ao próprio homem. Desta forma, a proteção dos animais justifica-se não como um imperativo moral, mas como uma necessidade para a sobrevivência da humanidade.  Por esta razão é que os movimentos ambientalistas demonstram preocupação com a integridade do planeta e convidam as pessoas a exercitarem a compaixão pela terra.

Há muito tempo, os animais sofrem com torturas e descuidos. Enquanto que os domésticos são adquiridos apenas para satisfazer o conforto e a alegria humana e muitas vezes abandonados, o tráfico de animais silvestres prospera diante da tolerância social e segue a lógica implacável do mercado. Para serem retirados do seu habitat, os animais selvagens são torturados e submetidos a crueldades que objetivam adestrá-los. Estes comportamentos são inaceitáveis e devem ser corrigidos por todas as instituições que pretendem a formação de adultos éticos e comprometidos com a preservação.

Estas razões motivaram a instituição a realizar uma campanha de conscientização com os alunos. Além de despertar o apego, o cuidado, a preocupação e o sentimento humano desde cedo, a ideia é desenvolver um conceito coletivo na cidade de Chapecó, onde cada um tenha o conhecimento dos direitos dos animais, e consiga-se, através desta conscientização, diminuir os maus tratos dirigidos a eles. De acordo com a Gestora Ms. Gislaine Moreira Nunes Baez, através destas iniciativas, “estaremos colaborando com a construção de uma sociedade mais civilizada, que respeita o meio ambiente e demais espécies do planeta.”

16/06 - Público mundial visita site do Trilíngue

A população chapecoense e da região já sabe que o Colégio Trilíngue Inovação possui um método de ensino de alta qualidade. Também não é novidade, que no ano passado, com menos de um ano de existência, a instituição ganhou o V prêmio Íbero Americano en Honor a La Excelencia Educativa. Mas um fato curioso, que muitos ainda desconhecem é que o site da escola está sendo visitado diariamente por internautas de diferentes países do mundo.

{gallery}2009,single=imagem.jpg,salign=left,connect=sige{/gallery}

A constatação foi feita a partir de um relatório emitido pelo sistema do site. Nele há uma cobertura das visitas onde foram encontrados acessos de países como Portugal, EUA, Paraguai, França, Argentina, Peru, Taiwan, Itália, Reino Unido, Espanha, Romênia, Alemanha e Kênia. As demonstrações relacionadas referem-se apenas ao mês de março deste ano.

Mas o que estará causando o interesse de visitantes estrangeiros ao acessarem o site do colégio? Será pelo fato de ser trilíngue, pelas viagens de imersão em idiomas, ou simplesmente pelo fato de possuir um método de ensino muito qualificado? A equipe de informática do Colégio, já está fazendo pesquisas para descobrir estas respostas que queremos. Assim, além de sanar nossas dúvidas, também poderemos oferecer a oportunidade de contato, através da criação de um espaço para uma enquete virtual. Com este mecanismo será possível compartilhar conhecimentos e desenvolver um intercâmbio educacional entre a Instituição e países ou pessoas que se interessam pelo assunto.

O que se sabe com certeza é que o perfil de ensino com aulas interdisciplinares, os eventos com diversões sadias para promover o desenvolvimento humano através da formação integral, ou seja, o conhecimento científico e construção de valores morais e éticos, entre outras atividades, tornam o colégio referência inclusive para alunos de outras escolas, fato observado no “Madrugadão do Conhecimento” e na“Cool Nigth” quando os alunos atravessaram a noite se divertindo e aprendendo. Estes quesitos provavelmente fazem com que o Trilíngue fique conhecido por pessoas de outros estados, inclusive os mais distantes.

Além de iniciar as atividades com nível de alto padrão educacional, o Trilíngue também procura atualizar-se constantemente quanto às evoluções e novidades pertinentes à educação no mundo. Por buscar novidades de mercado e métodos novos para desenvolver nos alunos o interesse pelo aprendizado, o colégio está sempre investindo na capacitação dos seus profissionais.

Quando se pensa em ensino de qualidade, a proficiência - ler, falar, ouvir e escrever fluentemente em três idiomas e o curso de informática também fazem a diferença. São estas características que têm sido avaliadas pelos pais quando estão em busca daquilo que se pode traduzir como o melhor sistema de educação para os seus filhos. Por estas razões, muitas famílias ao se transferirem para Chapecó e cidades próximas, mesmo partindo do sudeste e outras regiões do país, buscam a transferência imediata, via e-mail, o que demonstra o reconhecimento da Instituição pelos moradores de outros estados.

Embora a dúvida sobre as visitas ao site permaneça, é honroso para a Instituição que ainda está em processo de construção, ser conhecida por outros países, o que torna cada vez mais motivadora a busca pela qualidade. Segundo a Gestora do Colégio, Ms. Gislaine Baez, “é gratificante saber a dimensão que abrangem os esforços feitos por um ensino de qualidade, ainda mais quando se trata de países desenvolvidos e com sistemas educacionais muitas vezes superiores aos encontrados no Brasil”. Ainda segundo Gislaine, “é motivo de grande alegria estar entre as instituições do país que preparam jovens para ir ao encontro do mundo desenvolvido”.

05/06 - Resultados Baixos de Chapecó no ENEM preocupam Pais e Escolas

Santa Catarina é um dos melhores Estados do Brasil em termos de educação. Porém, poucas cidades se destacam quando o assunto é o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), o qual tem por objetivo avaliar o Sistema Educacional Brasileiro através de provas de conhecimentos destinadas aos alunos que já concluíram o Ensino Médio (egressos) e aos que irão concluí-lo ao final do ano de realização do Exame (concluintes).

Leia mais...

28/05 - Bolsa de estudos para atletas

O Colégio Trilíngue Inovação está selecionando jovens atletas ou aspirantes, de ambos os sexos, com o objetivo de formar uma grande equipe para disputar campeonatos internacionais. O projeto nasceu a partir de subsídios que a instituição recebeu para o incentivo ao esporte, tornando possível viabilizar, de forma conjunta, esporte e ensino de qualidade a jovens que almejam ter um futuro promissor e saudável ao mesmo tempo. Os alunos selecionados vão receber bolsas de estudo de 50% e usufruirão da educação completa fornecida pela Instituição, com proficiência em três idiomas.

Leia mais...

Página 82 de 93